Design and Solidarity Economy

Contributions and challenges

  • Erica R. Andrade
  • Isadora C. Santos
  • Natália Helena Toledo
  • Ivo Pons
Keywords: Design, Solidarity economy, Social innovation

Abstract

This article presents a brief historical, conceptual and practical overview of design acting in the solidarity economy, bringing its contributions and challenges. From the experience of the Rede Design Possível during its thirteen years of operation, updated design issues are presented in the context of the solidarity economy, both in terms of design as agent, as well as design as the object of solidarity economy actions. The Rede Design Possível, its history, its internal organization and its production are presented here as a case study for the understanding
of how political engagement generates changes in methodologies and in the organization of work itself. It is understood the design as agent and object of
this interaction, which aims at social transformation for the common good.

Downloads

Download data is not yet available.

References

ANDRADE, Erica; MERINO, Eugenio. Gestão de Design aplicada a comunidades urbanas produtivas. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN, 9., 2010, São Paulo. Anais do 9o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo: PPPG em Design, Mestrado Universidade Anhembi Morumbi, 2010. p. 2439 - 2447.

ANDRADE, Erica Ribeiro de. I NTERFERÊNCIAS DO DESIGN NA DIMENSÃO ECONÔMICA DA SUSTENTABILIDADE. 2 012. 207 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Design e Expressão Gráfica, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2012. Disponível em: https://repositorio.ufsc.br/handle/123456789/1821. Acesso em: 15 mar. 2018.

BRASIL. Ministério do Trabalho. DECRETO No7.358, DE 17 DE NOVEMBRO DE 2010. Institui o Sistema Nacional do Comércio Justo e Solidário - SCJS, cria a Comissão Gestora Nacional, e dá outras providências. Brasília: 2010. Disponível em http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2010/decreto/d7358.htm. Acesso em 15 mar. 2018.

BRASIL. Ministério do Trabalho. P ortaria MTE no 2.060, de 30/12/2014. Institui os princípios, critérios, sistema de avaliação de conformidade e os mecanismos de gestão do Sistema Nacional de Comércio Justo e Solidário - SCJS. Brasília: 2014. Disponível em http://pesquisa. in.gov.br/imprensa/jsp/visualiza/index.jsp?jornal=1&pagina=53&data=08/01/20 15. Acesso 15 mar. 2018.

BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, CASA CIVIL SUBCHEFIA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS. Lei no 10.683, de 28 de maio de 2003. Dispõe sobre a organização da Presidência da República e dos Ministérios, e dá outras providências. Lei no 10.683, de 28 de Maio de 2003. Brasília, DF, 28 maio 2003a. Revogado pela Lei no 13.502, de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.683.htm. Acesso em: 25 mar. 2018.

BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, CASA CIVIL SUBCHEFIA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS. Decreto no 4.764, de 24 de junho de 2003. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções Gratificadas do Ministério do Trabalho e Emprego, e dá outras providências. Decreto No 4.764, de 24 de Junho de 2003. Brasília, DF, 24 jun. 2003b. Revogado pelo Decreto no 5.063, 3 de maio de 2004. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/2003/d4764.htm. Acesso em: 25 mar. 2018.

BRASIL, PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA, CASA CIVIL SUBCHEFIA PARA ASSUNTOS JURÍDICOS. Decreto no 8.894, de 03 de novembro de 2016. Aprova a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança do Ministério do Trabalho, remaneja cargos em comissão e funções gratificadas e substitui cargos em comissão do Grupo Direção e Assessoramento Superior - DAS por Funções Comissionadas do Poder Executivo - FCPE. Decreto No 8.894, de 3 de Novembro de 2016. Brasília, DF, 03 nov. 2016. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8894.htm#art11. Acesso em: 25 mar. 2018.

BARBOSA, Rosangela Nair de Carvalho. A Economia Solidária como Política Pública: uma tendência de geração de renda e ressignificação do trabalho no Brasil. São Paulo: Cortez, 2007.

CARDOSO, Rafael. Uma introdução à história do design. 2ed. São Paulo: Blucher, 2004.

CARNIATTO, Izamara V.; CHIARA, Eugênia. Design nas iniciativas de Economia Solidária: o confronto da experiência brasileira e italiana. Estudos em Design. Rio de Janeiro, v. 16.1, 2009, ISSN 1983-196X. Disponível em: http://www.maxwell.lambda.ele.puc-rio.br/estudos_em_design.php?strSecao=INPUT2&Session= SHOW9& NrSeqFas=64&cor=. Acesso em: 30 de mar. 2010.

CASTANHEIRA, Maria Eugênia Monteiro; PEREIRA, José Roberto. Ação coletiva no âmbito da economia solidária e da autogestão. Rev. Katál. F lorianópolis v. 11 n. 1 p. 116-122 jan./jun. 2008.

DESIGN POSSÍVEL. P ossíveis Empreendedores. Banco de Tecnologias Sociais, Fundação Banco do Brasil, 2013. Disponível em: http://tecnologiasocial.fbb.org.br/tecnologiasocial/banco-de-tecnologias-sociais/pesquisar-tecno logias/detalhar-tecnologia-114.htm. Acesso em: 31 mar. 2018.

GAIGER, Luiz Inácio. A Racionalidade dos formatos produtivos autogestionários. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n. 2, p.513-545, maio/aog. 2006.

MASCARENHAS, Gilberto Carlos Cerqueira. O MOVIMENTO DO COMÉRCIO JUSTO E SOLIDÁRIO NO BRASIL: ENTRE A SOLIDARIEDADE E O MERCADO. Rio de Janeiro, RJ: UFRRJ, 2007. Originalmente apresentada como tese de doutorado, Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, 2007.

MARTINS, Nara Silvia M.; PONS, Ivo Eduardo Roman. Tecnologia Social do Design Possível aplicada em redes em diversas partes do Brasil. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE PESQUISA E DESENVOLVIMENTO EM DESIGN, 9., 2010, São Paulo. Anais do 9o Congresso Brasileiro de Pesquisa e Desenvolvimento em Design. São Paulo: PPPG em Design, Mestrado Universidade Anhembi Morumbi, 2010. p. 4312 - 4323.

MAZZEI, Bianca Burdini. Autogestão em empreendimentos econômicos solidários: um estudo comparativo de casos em cooperativas de reciclagem de lixo de Maringá-PR. Londrina, PR: UEM, 2006. Originalmente apresentada como dissertação de mestrado, Universidade Estadual de Maringá, 2006.

OSTERWALDER, Alex; PIGNEUR, Yves. B usiness Model Generation: Inovação em Modelos de Negócios. Rio de Janeiro: Alta Books, 2011. 300 p.

PINHO, Leonardo Penafiel; PINHO, Kátia Liane Rodrigues. SAÚDE MENTAL E ECONOMIA SOLIDÁRIA: UM ENCONTRO FORJADO NA PRÁXIS TRANSFORMADORA. In: INSTITUTO INTEGRA para o Desenvolvimento. COOPERATIVISMO E ASSOCIATIVISMO SOCIAL: TRABALHO COLETIVO QUE TRANSFORMA VIDAS [Cartilha]. São Paulo: INSTITUTO INTEGRA para o Desenvolvimento, 2017.

REDE DESIGN POSSÍVEL (São Paulo) (Org.). Rede Design Possível: Home. 2015. Disponível em: http://www.designpossivel.org. Acesso em: 31 mar. 2018.

RIBEIRO, Erica, SANTOS, Isadora Candian dos. Multiplicadores do Comércio Justo e Solidário e Sistemas Participativos de Garantia na Rede de Saúde Mental e Economia Solidária. São Paulo: Instituto Integra para o desenvolvimento, 2017.

SANCHEZ, Petra Sanchez; MARTINS, Nara Sílvia Marcondes; PONS, Ivo Eduardo Roman. Design Possível: prática experimental na produção de design sócio-ambiental no Projeto de Cooperação Internacional Eco design Social, Brasil – Itália. Rio de Janeiro: Anais do 4o Congresso Internacional de Pesquisa em Design, 11 à 13 de outubro de 2007.

SANTOS, Isadora Candian dos. Conexões entre design, economia solidária e tecnologia social na perspectiva do campo CTS. 2 017. 172 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Programa de Pós-graduação em Ciência, Tecnologia e Sociedade, Centro de Educação e Ciências Humanas, Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2017. Disponível em: https://www.academia.edu/36219439/Conexões_entre_design_economia_solidária_e_tecnologi a_social_na_perspectiva_do_campo_CTS. Acesso em: 09 jun. 2018.

SINGER, Paul. I ntrodução à Economia Solidária. S ão Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2002.

Published
2019-05-10
How to Cite
R. Andrade, E., C. Santos, I., Toledo, N. H., & Pons, I. (2019). Design and Solidarity Economy: Contributions and challenges. DAT Journal, 4(1), 80-97. https://doi.org/10.29147/dat.v4i1.122